Sucesso de negócios e de público, Ficafé valida o trabalho associativo em torno dos cafés especiais

Feira foi encerrada na sexta-feira, dia 4, com balanço positivo e números que comprovam a força econômica da cultura na região

12ª edição da Ficafé aconteceu entre os dias 2 e 4 de outubro, no Parque de Exposições de Jacarezinho CRÉDITO: Divulgação

Avaliada como sucesso de público e na geração de negócios e interações entre os membros da cadeia cafeeira, a 12ª edição da Feira Internacional de Cafés Especiais do Norte Pioneiro do Paraná (Ficafé) chegou ao fim com um saldo positivo na divulgação da qualidade do café especial produzido na região.

O evento, realizado entre os dias 2 e 4 de outubro, no Parque de Exposições de Jacarezinho, reuniu produtores de café de toda a região, participantes de diferentes Estados desde o plantio, passando pela colheita dos cafés cerejas até chegar a etapa do consumo.

“Esta edição foi a melhor de todas, levando em consideração a organização geral, parte técnica, participação do maior número de expositores e lotes vendidos com valores muito bons em leilões. Saldo positivo em relação a tudo”, analisou Odemir Capello, consultor do Sebrae/PR e gestor do projeto da entidade Cafés Especiais.

O consultor ainda destacou o papel do café no desenvolvimento econômico. “Tudo isso resulta em renda ao produtor, e isso vai gerar desenvolvimento regional. Neste ano tivemos grandes empresas presentes arrematando lotes, como a 3 Corações e outras grandes do mercado nacional que saíram daqui levando nosso café. A Ficafé é a consequência de um trabalho realizado durante todo o ano com ações de apoio e consultorias dentro das propriedades”.

Concurso e Leilão

Dois dos eventos mais aguardados pelos produtores – e também pelos compradores – foram o concurso e o leilão dos cafés premiados no concurso. Este ano o vencedor na categoria cereja descascada foi Edson Messias de Carvalho, de Joaquim Távora, enquanto o prêmio na categoria natural foi dado a Lúcia Aparecida Diniz, de Tomazina.

“Mais uma vez fui premiado, tremi muito durante a cerimônia. Foi um ano difícil para nós que termina com esta premiação. Vendi a R$ 1 mil o saco de 30 kg, que é comercializada a R$ 160 no mercado comum. É um excelente valor que valoriza o produtor. A 3 Corações, que pela primeira vez esteve aqui, arrematou meu café cereja e um saco de 30 kg de café natural por R$ 1,8 mil”, comemorou Edson.

“Foi a primeira vez que participei e jamais imaginei que seria reconhecida. Meu marido já foi premiado, mas eu não esperava. Nasci e vivo até hoje no meio do café, minha história com cafés especiais tem dez anos e receber este prêmio foi uma emoção tão grande que me estimula a melhorar ainda mais para o ano que vem”, projetou Lucia.

Já o leilão foi responsável por comercializar 18 sacas de 11 produtores, totalizando mais de R$ 15 mil em vendas. Outras grandes empresas nacionais de café, entre torrefadoras e cafeterias, também estiveram presentes e arremataram cafés especiais do norte pioneiro.

Na avaliação de Luiz Fernando de Andrade Leite, presidente da Associação dos Cafés Especiais do Norte Pioneiro do Paraná (Acenpp), a Ficafé superou as expectativas em outra importante necessidade do setor: a participação e desenvolvimento da sintonia dos membros da cadeia. “Vivemos um cenário com muitos desafios para os produtores de café e a feira conseguiu alinhar as expectativas e o trabalho de quem produz, dos compradores e das entidades que apoiam os cafés especiais. Foram dias de fortalecimento”, ponderou.

Feira

A Ficafé 2019 foi uma realização do Sebrae/PR, Associação dos Cafés Especiais do Norte Pioneiro do Paraná (Acenpp), Cooperativa de Cafés Especiais do Norte Pioneiro do Paraná (Cocenpp), Indicação de Procedência do Norte Pioneiro do Paraná, com apoio da Prefeitura de Jacarezinho, Governo do Paraná, Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Paraná (Seab), Instituto Federal do Paraná (IFPR – campus Jacarezinho), Sistema Faep (Senar, Faep e Sindicato Rural), Iapar, IAP, Associação dos Engenheiros e Agrônomos do Norte Pioneiro (AEANP), Adapar, Associação dos Municípios Norte Pioneiro (Amunorpi), Universidade Estadual do Norte do Paraná (Uenp), CREA-PR, Emater, Cooperativa Integrada, Fecomércio PR, Sesc, Senac e Museu do Café.